BADMINTON NOS JOGOS OLÍMPICOS

Bastante popular no Oriente e em países europeus, o badminton é um esporte que reúne técnica e velocidade. Sua origem está ligada a um esporte disputado com os pés e uma peteca na China do século V a.C, o Ti Jian Zi. Cinco séculos depois, um jogo chamado battledore (as antigas raquetes) e shuttlecock (as petecas) se popularizou em países como China, Japão, Índia e Grécia. No século XVI, a nobreza européia adotou como passatempo o jeu de volant ("jogo da roda", em francês, em oposição ao jeu de paume, ou "o jogo da palma", que deu origem ao tênis). O poona, jogado na Índia no século XIX, chegou à Inglaterra levado por oficiais do exército britânico e foi adotado pelo Duque de Beaufort em sua propriedade, o Castelo de Badminton, nome que acabou batizando a versão moderna do esporte.

Disputado preferencialmente em quadra coberta, o jogo consiste em uma melhor de três games de 21 pontos. Mas empate por 20-20, a partida vai a dois. A disputa se estende até que um time abra dois pontos de vantagem ou marque o 30º. Para marcar pontos, é preciso que a peteca lançada pelo sacador caia no solo do adversário ou que o recebedor do saque lance a peteca na rede ou para fora.

BADMINTON NOS JOGOS OLÍMPICOS

Semelhanças com outros esportes

O Badminton se parece com tênis e com o vôlei. A principal semelhança é a presença da rede que divide os dois campos. O tempo em que a bola está em jogo é chamado de rally, igualzinho ao vôlei de praia. Os saques são realizados sempre na diagonal, como no tênis.

A primeira participação em Jogos Olímpicos foi em Barcelona 1992.

O Badminton é o esporte de raquete mais rápido do mundo;

As raquetes podem rebater a peteca a até 260 km/h de um lado a outro da quadra, dividida por uma rede a 1,55m do chão.

Os jogadores percorrem mais de 6 km em uma única partida.

Os jogos podem ocorrer ao ar livre, mas devem ser disputados em ginásios, para que o vento não atrapalhe a trajetória da peteca.

Fonte: http://www.cob.org.br/

Fonte: Mega Times e Klima Naturali
Gostou? Compartilhe:

0 comentários:

CityGlobe