REAL MADRID É CAMPEÃO DA COPA DO REI DA ESPANHA DE 2011

REAL MADRID É CAMPEÃO DA COPA DO REI DA ESPANHA DE 2011

O Real Madrid venceu o Barcelona na final da Copa do Rei da Espanha, com um gol do português Cristiano Ronaldo no primeiro tempo da prorrogação. A equipe comandada por José Mourinho bateu o clube catalão por 1 a 0 e conquistou no Estádio Mestalla, em Valência, o título da Copa do Rei da Espanha.

Com a conquista o Real Madrid fatura o 18 º título do torneio, e quebra um incômodo jejum de 18 anos sem títulos da Copa do Rei. Vice-campeão, o Barcelona soma 25 troféus da competição nacional.

Na prorrogação, o Barcelona seguiu com a filosofia de controlar a posse de bola e dominou o confronto. O Real Madrid, por outro lado, ameaçava o adversário apenas nos contra-ataques, geralmente puxados por Cristiano Ronaldo. E o português decidiu, com uma cabeçada certeira, ainda na primeira etapa do tempo-extra, a vitória do time comandado por José Mourinho.

Cristiano Ronaldo comemora o gol título do Real Madrid sobre o Barcelona (Foto: AFP)

O jogo
A tensão do final do duelo do último final de semana entre Real Madrid se transportou para o Estádio Mestalla, em Valência. Novamente com uma formação mais ponderada, embora com Mezut Özil dentro de campo, o time da capital abusava da velocidade e pediu pênalti logo aos 4min. Após cobrança de falta de Cristiano Ronaldo, a bola bateu na mão de Adriano; o árbitro, bem colocado, ignorou as reclamações.

O Real Madrid seguiu ameaçando e quase abriu o placar aos 11min. Depois de bom passe de Özil, Cristiano Ronaldo bateu para o gol e testemunhou um lance heroico do volante argentino Javier Mascherano, que evitou o gol praticamente em cima da linha.

Diferentemente do duelo no Santiago Bernabéu, quando apostou muito mais na marcação e abdicou do ataque, José Mourinho melhorou a qualidade ofensiva do time da capital com a presença de Özil em campo. Por outro lado, com Lionel Messi apagado e Xavi e Andrés Iniesta muito marcados, o Barcelona sofria para ameaçar a meta defendida por Iker Casillas.

Irritado por não conseguir criar, o time da Catalunha expôs a tensão aos 27min, quando o lateral Arbeloa deu um prisão em David Villa, no chão, e criou a primeira confusão do jogo. O árbitro, por sua vez, apenas distribuiu broncas nos jogadores.

Sem o adversário criar, o Real Madrid manteve a melhor qualidade ofensiva e por pouco não marcou aos 35min. Em contra-ataque veloz, Cristiano Ronaldo disparou pela direita, invadiu a área e bateu forte para excelente defesa de José Pinto, titular nesta quarta-feira por defender o gol barcelonista durante todo o torneio.

E até o final da primeira etapa, o time de Madri manteve as constantes ameaças. A melhor chance do clube comandado por José Mourinho surgiu aos 43min. Depois de ótima combinação na direita entre Özil e Cristiano Ronaldo, a bola chegou em Pepe dentro da área. O luso-brasileiro aproveitou a distração de Daniel Alves e subiu firme de cabeça; contudo, a bola caprichosamente explodiu na trave direita de Pinto.

Dominado pela estratégia adversária na primeira etapa, o Barcelona retornou mais consciente para a segunda etapa. Paciente com a bola, o time de Josep Guardiola criava uma ótima oportunidade aos 2min. Após tabela de Iniesta com Villa, o meio-campista caiu na risca da grande área e reclamou de uma infração. O árbitro, no entanto, apenas gesticulou para o camisa 8 levantar.

O clube da Catalunha ameaçou Casillas, enfim, aos 5min. Sumido durante toda a primeira etapa, Pedro fez boa jogada e chutou forte de canhota. A bola, entretanto, bateu na rede pelo lado de fora do goleiro do Real Madrid.

O domínio barcelonista seguiu durante toda a etapa final. Aos poucos, o time de Josep Guardiola impôs a filosofia do toque de bola e criou problemas para a defesa do Real Madrid. Mais ativo, Messi chamou a responsabilidade e passou a incomodar o adversário, forçando o cartão amarelo para Xabi Alonso, por exemplo.

Aos 23min, Messi brilhou. O argentino arrancou da direita para o centro, passou por cinco marcadores e deu um lindo lançamento para Pedro. O atacante finalizou firme, de perna esquerda, e conseguiu vencer Casillas. Entretanto, o auxiliar anulou o gol ao marcar impedimento do jogador do Barcelona.

O lance apenas refletiu o domínio catalão. Com 29min, Messi fez linda jogada e chutou firme. Bem colocado, Casillas espalmou e evitou um lindo gol do melhor jogador do mundo.

A pressão se manteve até o final do jogo e o goleiro do Real Madrid trabalhou muito até o final. Restando dez minutos para o final do tempo regulamentar, Iniesta recebeu ótimo passe de Messi e bateu cruzado para excelente intervenção de Casillas, que viu o clube de José Mourinho ainda ameaçar nos instantes finais.

Nos acréscimos, Di Maria, em outro contra-ataque, cortou para a perna direita e acertou um lindo chute. Já no ar, Pinto conseguiu, de mão trocada, espalmar para escanteio e evitar a derrota nos momentos derradeiros. A intervenção sacramentou a realização da prorrogação para decidir o campeão.

No tempo-extra, o Barcelona manteve o domínio sobre o arquirrival. No entanto, o Real Madrid foi quem criou a melhor oportunidade da primeira etapa da prorrogação. Após lançamento de Xabi Alonso oriundo do campo defensivo, Cristiano Ronaldo ganhou na velocidade da defesa rival e chutou cruzado. A bola passou caprichosamente rente à trave direita de Pinto.

Melhor atleta do Real Madrid em campo, Cristiano Ronaldo, só ele, poderia decidir a favor do clube da capital espanhola. Di Maria e Marcelo tabelaram pelo lado esquerdo e o argentino cruzou na medida para o português. O camisa 7 subiu e cabeceou firme, de cabeça, para inaugurar o marcador e decidir o torneio.

Di María ainda foi expulso nos últimos segundos; contudo, a extrema pressão do Barcelona foi ineficaz e o Real Madrid ainda teve a chance de ampliar com Cristiano Ronaldo. Resultado: título sobre o maior rival e quebra de um longo tabu sem títulos da Copa do Rei da Espanha para o clube da capital.

Barcelona 0 x 1 Real Madrid
Pinto; Daniel Alves, Piqué, Mascherano e Adriano; Busquets (Keita), Xavi e Iniesta; Pedro, Villa (Affelay) e Messi. Casillas; Marcelo, Ricardo Carvalho (Garay), Sergio Ramos e Arbeloa; Pepe, Xabi Alonso e Khedira (Granero); Özil (Adebayor), Cristiano Ronaldo e Di María.
Técnico: Pep Guardiola Técnico: José Mourinho
Gols: Cristiano Ronaldo, aos 12 minutos do primeiro tempo da prorrogação.
Cartões amarelos: Pepe, Adebayor, Di María e Xabi Alonso (Real Madrid); Pedro, Adriano e Messi (Barcelona)
Cartão vermelho: Di María (Real Madrid)
Árbitro: Alberto Undiano Mallenco (Espanha)
Estádio: Mestalla, em Valencia (Espanha)


Fonte
http://www.correiodoestado.com.br
http://globoesporte.globo.com

Fonte: Mega Times e Klima Naturali
Gostou? Compartilhe:

0 comentários:

CityGlobe