O RIO DE JANEIRO CONQUISTA A SUPERLIGA FEMININA DE VÔLEI EM 2013

O Rio de Janeiro virou o jogo em uma reação  no quarto set espetacular, a equipe carioca sequer deu chance para que as rivais respirassem. Em um ritmo frenético, liderado por Sarah Pavan, Natália e Juciely, o time de Bernardinho empatou o jogo. No saque para fora do Osasco, fechou em 25/15 e levou a decisão para o tie-break. O resultado ficou 3 sets a 2 para o Rio, com parciais 22/25, 19/25, 25/20, 25/15 e 15/9, para celebrar o seu oitavo título da Superliga. Quem também chamou a responsabilidade para si foi Fofão. Aos 43 anos e jogando sentindo dores na panturrilha, a levantadora do Rio foi eleita a melhor jogadora da decisão.


O Rio manteve sua força para a parcial decisiva e começou melhor. Apesar das tentativas de reação e do apoio de sua torcida, Osasco tinha problemas para frear Natália e Juciely. Os ataques de Sheilla, Garay e Jaqueline já não funcionavam, e as cariocas abriram quatro pontos (11/7). Fabi não deixava a bola cair. Pressionada pela torcida rival durante todo o jogo, Natália era quem mais brilhava. E quem mais vibrava. No último lance do jogo, a ponteira encheu a mão e fechou: 15/9. Diante da festa da torcida azul, ajoelhou no chão e comemorou.

Foi a quarta vez que uma final entre os times foi para o tie-break. E a primeira em que uma equipe conseguiu virar após estar perdendo por 2 a 0. Na fase de classificação, os dois confrontos também foram decididos em cinco sets, com uma vitória para cada lado. Foi também uma final marcada por inovações tecnológicas. Pela primeira vez, as equipes tiveram o direito de pedir a revisão das jogadas. Bernardinho e Luizomar de Moura só não usaram o recurso no tie-break.

Fonte: Mega Times e Klima Naturali
Gostou? Compartilhe:

0 comentários:

CityGlobe